O que é NDC e qual seu impacto para o mercado de viagens?

Veja os impactos da NDC, a tecnologia de distribuição de conteúdo desenvolvida pela IATA, para o mercado de viagens e compra de passagens aéreas

Cada vez mais a tecnologia vem promovendo uma experiência de viagem mais eficiente e personalizada em diversos níveis. A bola da vez (nem tão nova assim) é o New Distribution Capability (NDC), na versão dublada “Nova Capacidade de Distribuição”. Ela é uma tecnologia de distribuição de conteúdo desenvolvida pela International Air Transport Association (IATA) que está transformando a indústria de viagens. 

Duas pontuações importantes: O NDC foi desenvolvido para permitir que as companhias aéreas possam oferecer serviços e produtos personalizados aos clientes finais através dos canais indiretos de vendas, como agências de viagens online, da mesma forma que fazem em suas vendas diretas. 

Ou seja, este formato permite que as companhias aéreas criem e distribuam ofertas relevantes ao cliente, independentemente do canal de distribuição. 

Além disso, este formato de troca de dados foi idealizado com o intuito de acompanhar o novo perfil de mercado e de consumidor do transporte aéreo ao redor do globo. Aprimorando a capacidade de comunicação entre companhias aéreas e agentes de viagens para melhor atender os passageiros, de acordo com a implementação e uso de cada companhia.

Com isso em mente, vamos mergulhar um pouco mais fundo no que é o NDC e como ele pode transformar a forma como as empresas e viajantes corporativos reservam suas viagens.

Mas o porquê do NDC? 

Segundo a própria IATA,  o NDC “permite que a indústria de viagens transformem a maneira como os produtos aéreos são vendidos para corporações, viajantes a lazer e a negócios, abordando as atuais limitações de distribuição da indústria: diferenciação de produtos e tempo de colocação no mercado, acesso a conteúdo aéreo completo e rico” e, finalmente, compras transparentes e focadas em experiência.

Esta tecnologia nasceu há alguns anos atrás para tentar suprir o aumento da demanda pelas passagens aéreas e os novos desafios em relação ao processo de distribuição de conteúdos de viagem, ou seja, todos os produtos, informações e serviços ofertados pela indústria de viagens aéreas. Já que anteriormente, as cias eram muito dependentes de terceiros para essa distribuição e vendas de conteúdos, como obts, tmcs e sistemas globais de distribuição (GDS). 

Todo este gap, devido a este processo intermediário, dificultava a transparência e eficiência comercial das companhias aéreas. Afinal, a expectativa do cliente hoje são outras do que eram antigamente, as companhias aéreas apresentam novas tecnologias e se interagem com outras possibilidades de distribuição e as próprias empresas e agência de viagens encontram e evoluem suas perspectivas de vendas. 

Ele foi desenvolvido para ser uma tecnologia aberta com padrões e especificações padronizadas e já tem diversas cias usado esta tecnologia, porém ainda há desafios, como os de integrações, para uma adoção mais ampla. 

Deu pra entender um pouquinho das motivações para se pensar em novas capacidades de distribuições né?!

Quais os benefícios do NDC?

Como uma possibilidade de inovação para todos os agentes turísticos, existem benefícios  do seu uso para toda a cadeia produtiva deste segmento. 

Companhias aéreas, inclusive low-costs, podem diferenciar seus produtos e serviços de maneira mais flexível para agências de viagens onlines e oferecer outras possibilidades de acordo com cada necessidade, como upgrades de cabine, seleção de assentos e refeições especiais. Sem contar no maior controle sobre a distribuição e eficiência nas transações comerciais. 

As agências de viagens,por sua vez, podem ter acesso mais personalizado aos conteúdos aéreos das companhias aéreas e consequentemente, podem ofertar outras possibilidades mais personalizadas para o cliente final. Além de criar novas oportunidades de receita para a manutenção de toda a empresa. 

Para os clientes, como dito anteriormente, ele terá acesso em pacotes de serviços e produtos cada vez mais personalizados de acordo com suas reais necessidades. E com isso, mais transparência nos serviços inclusos ali e a possibilidade de ter valores mais competitivos em sua compra. 

Como as viagens corporativas podem se aproveitar do NDC?

Primeiramente, é preciso entender que toda nova tecnologia e inovação no modus operandi pode atrair pontos positivos para o mercado de viagens como um todo. Com o NDC, não seria diferente. Além do que já foi citado, o NDC pode trazer para o mercado de viagens corporativas mais competitividade e controle sobre as viagens dos seus funcionários. 

Com um pacote mais amplo e personalizado de opções, o gestor de viagens pode avaliar a opção de serviços adicionais para melhorar a experiência do viajante. Criando a possibilidade de deixar certos pontos da política de viagens mais flexíveis e adaptáveis com as necessidades individuais e organizacionais de cada colaborador. Mais controle, mais gestão, menos custos e com a possibilidade de reduzir atritos, como o turnover

Outro item positivo a ser visto é sobre a redução de custos. O NDC pode proporcionar preços mais competitivos e redução no valor final da viagem. Afinal, existe a possibilidade de se ter mais tarifas e opções de serviços, ajuste de preços em tempo real por parte da cia devido demanda e procura e toda a possibilidade de flexibilização de conteúdos. E por fim, a redução de intermediários pode fazer com que as companhias ofereçam condições especiais diretamente com o cliente final. 

Lembrando que essas contribuições do NDC podem variar de empresa para empresa, afinal podem exigir mudanças e adaptações no gerenciamento de viagens. 

Mas o que posso dizer, é que o  NDC contribui para tornar todos os produtos e serviços da companhia aérea disponíveis para empresas compradoras, reduzindo a necessidade de reservas fora da apólice e políticas. Além de ser  possível ver todos os transportes aéreos, opções e tarifas relevantes disponíveis, para escolher a viagem mais atraente baseada em preferências que podem variar desde a qualidade do produto, nível de serviço para e/ou preço. 

O Case LATAM

A Latam Airlines lançou recentemente o NDC by LATAM para agências e empresas de viagens. A nova ferramenta de distribuição da companhia aérea que utiliza o padrão de transmissão da indústria “NDC”, promete oferecer melhores serviços aos seus clientes. 

ndc by latam

O intuito é fazer com que seus clientes evitem a taxa de recuperação de custo de distribuição de US$ 12 por segmento aplicável a reservas GDS. 

Com ele, os clientes terão acesso à:

  • Acesso a produtos e serviçoes exclusivos da LATAM
  • Conexão com preços contínuos
  • Personalização e adaptação de ofertas
  • Acesso a informações sobre produtos e tarifas em tempo real
  • Autonomia em reemissões e reembolso
  • Acesso a uma gama mais ampla de ancillaries, como bagagem, assentos e embarque prioritário
  • Processos de pós-venda mais fluido

Nosso CEO, Marcelo Linhares, explicou de forma mais completa e analitica esta nova empreitada em sua coluna para a Panrotas

Mas e aí, é bom ou ruim? 

Se por um lado a tecnologia pode oferecer opções mais amplas de conteúdos, flexibilidade para personalizar as viagens a trabalho e escolhas de tarifas e serviços adicionais para cada viagem, é preciso avaliar também um outro ponto. O NDC  pode trazer mudanças significativas na forma que sua empresa opera a compra de passagens aéreas da sua empresa. 

O NDC também pode causar uma certa dúvida em relação aos preços das tarifas aéreas, especialmente se as companhias aéreas começarem a oferecer preços diferentes e txas extras para diferentes canais de vendas. Isso pode tornar mais difícil para as empresas manter um controle rigoroso sobre seus custos de viagem.

Assim, é importante contar com uma plataforma de reservas multibroker que atue como um forte aliado do gestor de viagens para encontrar sempre, a menor tarifa ou igual o que é ofertado pela própria companhia aérea.

Como dissemos por aqui na Onfly, é a tecnologia sendo utilizada para tornar a atuação do gestor mais assertiva e, no fim das contas, trazer mais tranquilidade ao viajante e retorno do investimento para as empresas com a prestação de contas dentro da gestão de despesas. 

newsletter
Compartilhe esse conteúdo
José Alberto Rodrigues
José Alberto Rodrigues

Olá! Me chamo José Alberto Rodrigues. Sou jornalista e pós-graduado em Comunicação e Marketing. Sou o Analista de Conteúdo na Onfly e nos últimos meses venho me dedicando a entender como funciona o mercado de viagens corporativas e como otimizar os custos de viagens das empresas. Para falar comigo, é só mandar um e-mail para jose@onfly.com.br