Análise de risco de cancelamento: como usar nas viagens a trabalho

Entenda o impacto econômico de remarcações e no-show e como as análises de risco de cancelamento podem mitigar esses efeitos.

Viagens a trabalho são parte integrante da rotina de muitas empresas, seja para fechar negócios, participar de conferências ou realizar visitas a clientes. 

No entanto, por mais que essas viagens sejam essenciais para o crescimento e desenvolvimento das empresas, elas também podem impactar negativamente o orçamento e a eficiência operacional, quando as empresas precisam lidar com cancelamentos com multa ou no-show nas viagens a trabalho.

Neste artigo, vamos explorar como os gestores de viagens podem utilizar da análise de risco de cancelamento na hora de definir as regras das reservas a fim de minimizar prejuízos financeiros e otimizar a gestão de viagens corporativas.

Por que analisar o risco de cancelamento das viagens a trabalho? 

Sabemos que os cancelamentos de última hora e no-shows nas viagens a trabalho podem resultar em prejuízos financeiros para as empresas. Por exemplo, com o no-show, por exemplo, apenas a taxa de embarque pode ser reembolsada, resultado no prejuízo do valor da passagem aérea.

Além de possíveis taxas e/ou multas aplicadas pelas companhias aéreas e hotéis, os gestores de viagens também precisam considerar os custos indiretos desses bilhetes não voados, como a perda de oportunidades de negócios e a necessidade de reagendar compromissos. 

Esses prejuízos podem ser especialmente onerosos quando não há uma análise prévia do risco envolvido na realização da viagem.

Por isso, é importante fazer uma avaliação cuidadosa do grau de risco associado ao compromisso profissional antes de efetuar as reservas de viagem. 

Isso envolve considerar fatores como a estabilidade do compromisso, a possibilidade de mudanças de agenda e as políticas de cancelamento e remarcação das companhias aéreas e hotéis. 

Por exemplo, se a viagem é para participar de um evento, avalie:

  1. Já está definido quem irá participar deste evento?
  2. Os ingressos/entradas para o evento já estão comprados?
  3. Esse profissional é um c-level? Se sim, sua agenda pode estar mais sujeita à alteração de última hora.
  4. Existe um histórico de no-show ou remarcação deste viajante

Essa análise pode ser adaptada para todos os tipos de viagens corporativas, como visita a clientes, encontro com fornecedores, participação em treinamentos e assim por diante. 

Ao entender o contexto do compromisso, os gestores de viagens podem tomar decisões mais acertadas sobre as reservas, minimizando o risco da empresa sair no prejuízo. 

Pensando nisso, separamos três dicas para analisar o risco de cancelamento das viagens a trabalho:

Reserve o hotel primeiro

Reservar o hotel antes do aéreo pode parecer contraintuitivo, mas acredite: essa uma estratégia eficaz para reduzir o risco financeiro das viagens a trabalho.

Isso porque muitos hotéis oferecem políticas de cancelamento e remarcação mais flexíveis do que as companhias aéreas, permitindo que os viajantes modifiquem suas reservas sem taxas adicionais. 

Esses quartos de hotéis que permitem o cancelamento gratuito são as tarifas reembolsáveis. É importante ficar atento a essa informação na hora de escolher a acomodação. 

Dessa forma, reservar o hotel primeiro na viagem a trabalho proporciona mais segurança financeira em caso de imprevistos.

Escolha entre a tarifa mais econômica ou com melhor condição de remarcação

Se você lida com viagens a trabalho, com certeza já se questionou como escolher entre a tarifa econômica (mas com piores condições de remarcação) e a tarifa mais cara no voo, (mas que oferece melhores condições de alterações). 

A escolha vai depender justamente do grau de certeza do compromisso profissional

Se o compromisso for altamente provável e não houver grandes chances de cancelamento, a tarifa econômica será a opção mais vantajosa. 

No entanto, se houver incertezas em relação ao compromisso ou se o viajante precisar de flexibilidade, é mais prudente optar pela tarifa mais cara. Por mais que o investimento inicial seja maior, as melhores condições de remarcação fazem a tarifa valer a pena em caso de necessidade. 

Essa decisão deve ser baseada em uma análise cuidadosa das necessidades do viajante e da empresa.

Eduque os viajantes da sua empresa a engajarem 

Quando o processo de viagens não é centralizado no gestor de viagens e o viajante tem autonomia para fazer as reservas dentro da política, educar os colaboradores também é um passo importante.

É interessante marcar treinamentos ou oferecer orientações sobre a importância da análise de risco e envolver os viajantes nessa conscientização sobre o processo de tomada de decisão. Isso vai facilitar bastante a rotina do gestor de viagens.

Ao capacitar os viajantes a entender e mitigar os riscos associados às viagens a trabalho, os gestores de viagens podem garantir uma gestão mais eficaz e eficiente.

As decisões baseadas em análises são mais acertadas

Se você é gestor de viagens ou é o responsável pelas viagens na sua empresa, com certeza a análise de risco de cancelamento ajuda a desenvolver uma gestão de viagens mais eficiente. Afinal, os dados são essenciais para decisões mais acertadas.

Dessa forma, é possível minimizar prejuízos financeiros e garantir mais eficiência operacional. 

Por isso, na hora de reservar a próxima viagem a trabalho, lembre-se de avaliar criteriosamente o grau de risco de cancelamento, reservar hotéis antes do transporte aéreo e escolher entre tarifas com diferentes condições de remarcação.

Gostou desse conteúdo? Assine nossa newsletter para receber mais dicas como essas diretamente na sua caixa de entrada. 

newsletter
Compartilhe esse conteúdo
Elaine Maciel
Elaine Maciel

Elaine é comunicóloga pela UFSJ e embarcou no desafio de fazer parte do time de comunicação e marketing da Onfly como Analista de Conteúdo. Para conversar com ela, basta enviar um e-mail para elaine.maciel@onfly.com.br!