Mapa das Travel Techs brasileiras [EXCLUSIVO]

Veja o primeiro mapa de travel techs brasileiras, são mais de 90 empresas de tecnologia dedicadas e resolver problemas do turismo no Brasil

Introdução

Você com certeza já deve ter ouvido falar das Fintechs como o Nubank e Banco Inter e das Edtechs como Descomplica e Agenda.Edu, mas e as Travel Techs?

De acordo com o estudo da Lufthansa Innovation Lab, as empresas de viagens e tecnologia possuem um grande destaque no cenário internacional entre os maiores fundos de investimento.

Ranking dos países que mais receberam aporte financeiro dos fundos de investimentos internacional entre 2010 e 2019
Dados da Lufthansa Innovation Lab. Retirado do LIH infographic

A Onfly como uma empresa puramente de tecnologia focada em viagens corporativas, fez o trabalho pioneiro de mapear as principais Travel Techs do ecossistema brasileiro de turismo desde a hotelaria até a mobilidade urbana. Confira nosso estudo abaixo

1 – O que são Travel Techs

2 – O Mercado de travel techs no Brasil

3 – O Mapa das Travel Techs brasileiras

O que são Travel Techs


“Travel techs” é o termo usado para definir empresas de tecnologia que estão buscando resolver problemas de viagens, turismo e mobilidade.

O turismo é um mercado gigante. Uma pesquisa realizada pelo Conselho Mundial de Viagens e Turismo – WTTC, demonstrou que a atividade turística movimentou cerca de US$ 8,8 trilhões em 2018. Esse valor representa à aproximadamente 10% de todo o PIB da economia mundial.

Ao mesmo tempo em que o mercado turístico representa uma grande fatia da economia internacional, o turismo é repleto de ineficiências, basta você lembrar o tempo que você espera no hotel para fazer check in e preencher sua ficha de registro a mão, ou como você faz reembolso das despesas de sua viagem a trabalho.

E é por trás dessas ineficiências que estão as oportunidades de negócio de centenas de empresas.

Olhando especificamente para o mercado “corporativo”, o GBTA estimou um mercado de U$ 1,3 Trilhão. Só no último ano, quase U$ 30 Bilhões foram investidos em travel techs ao redor do mundo.

Já são 45 startups de travel e mobilidade no clube dos unicórnios (acima de U$ 1 bilhão de valuation) no mundo de acordo com o Lufthansa Hub. Veja só:

Startups Unicórnios de viagens pelo mundo

Entre as travel techs de destaque no mundo podemos listar:

Airbnb ( + ou – U$ 26 bilhões de marketcap e perto de fazer o seu IPO);

Oyo Rooms (U$10 bihões de marketcap – já é a segunda maior rede de hotéis do mundo );

TripActions (Unicórnio de tecnologia focado em viagens corporativas com U$ 4 bihões em valor de mercado);

Além de outras empresas de viagens e mobilidade já consolidadas como o Booking que já vale U$ 65 bilhões e tem capital aberto em Nasdaq.

O Mercado de travel techs no Brasil


Nos últimos anos, grande parte dos holofotes no Brasil têm sido apontados para o mercado de fintechs (talvez pela grande concentração bancária e a histórica alta taxa de juros no país), mas existem dezenas de startups de turismo e mobilidade que estão se destacando por aqui, inclusive, o primeiro unicórnio verde-amarelo é uma startup de mobilidade 😉

Rapidamente, podemos destacar algumas travel techs de grande relevância no Brasil:

  • 99 recém comprada pela chinesa Didi e que foi oficialmente o primeiro unicórnio brasileiro;
  • A OTA Viajanet já faz R$ 1 bilhão de volume transacionado;
  • A Hurb (antigo Hotel Urbano) que lidera no Brasil a parte de reservas de hotéis para Lazer, com reservas aproximadas de R$ 780 milhões;
  • Maxmilhas e 123 milhas, embora os números não sejam públicos, o mercado já especula que somados já devem ultrapassar o volume de R$ 1 bilhão em volume transacionado.
  • E a Buser que foi investida pelo Softbank e anunciou que irá investir R$ 300 milhões na sua expansão em 2020 e está definitivamente transformando o mercado de mobilidade intermunicipal.

O Mapa da travel techs brasileiras


Acabamos de lançar com exclusividade o primeiro mapeamento de travel techs do  Brasil, foram 30 dias de levantamento de dados e esta primeira versão conta com 97 travel techs.

Critério para mapeamento

O critério principal para uma travel tech entrar no radar que criamos, é ter sido criada no Brasil, portanto empresas conhecidas como Booking (holandesa) e Decolar.com (argentina) não aparecem no mapa.

Outro critério importante, é respeitar o próprio conceito de “travel tech”, portanto além da empresa ser intensiva no uso de tecnologia ela tem que ser proprietária dos respectivos ativos de tecnologia.

Classificação e categorias das Travel Techs

As empresas foram clusterizadas em 16 categorias, que variam desde comparadores de preço de passagens como Voopter e Mundi até startups de mobilidade urbana como Kovi, 99 e Lady Driver.

Em geral, as duas categorias que mais possuem empresas são as OTAs, com 17 empresas  (19,7%), com destaque para Viajanet, Maxmilhas e Hurb e soluções de mobilidade urbana como 99, Wappa e Lady Driver com 13 empresas (15,06%).

Abaixo a relação de share de travel techs brasileiras por categoria:

Share de categoria das travel techs brasileiras

O caminho do dinheiro

Mapeamos também os fundos de venture capital que possuem histórico de investimentos em travel techs, enquanto lá fora grande parte do capital de risco está indo para corporate travel (com deals como TripActions que já vale U$ 4 bilhão e TravelPerk que já levantou U$ 133 milhões) e credit card expense (como a Brex que já vale U$ 2,6 bi), aqui no Brasil a área de mobilidade é a mais “sexy” entre os investidores.

Com a exceção do fundraising do Buser, quase todo dinheiro levantado foi destinado para as startups de mobilidade, segundo dados da Crunchbase a 99 captou ao todo U$ 241 milhões a Kovi levantou ano passado U$ 10 mi e recentemente a VaiCar anunciou um aporte de R$ 380 milhões.

Em termos de valor de mercado, a Smiles, que é listada na B3, é de longe uma das líderes, atualmente por causa  efeito da Covid-19 ela vale “apenas” R$ 1,6bi em valor de mercado, mas há apenas 30 dias atrás ela valia aproximadamente R$ 4,6bi (chegou a valer maior que a GOL durante um bom tempo).A outra curiosidade em relação a Smiles é sua relação receita/funcionário, embora ela tenha tido uma receita de R$ 1,1bi em 2019, ela conta com um time muito enxuto de apenas 146 funcionários, o que dá o impressionante número de R$ 7,530 milhões de receita/ano por funcionário.

Sem mais, confira o mapa das travel techs no Brasil:

mapa das travel techs brasileiras

Você pode fazer o download do arquivo original em alta resolução aqui.

Possui sugestões? Quer contribuir?

A Onfly vai atualizar e publicar semestralmente este radar, ficamos felizes com 97 empresas mapeadas na primeira versão, mas temos a obsessão de levantar o maior número de travel techs no Brasil, na publicação do segundo semestre queremos pelo menos 200 travel techs mapeadas, portanto se você possui uma travel tech ou quer dar alguma contribuição,  manda um e-mail pra gente pelo contato: traveltechs@onfly.com.br

Vinicius Ribeiro Lima
Autor: Vinicius Ribeiro Lima

Analista de Marketing da Onfly, turismólogo com formação complementar em marketing pela UFMG, mochileiro e apaixonado por inovação, startups e empreendedorismo. Graduado em Tourism, Hospitality & Business pela Boston College UK e atuante no mercado de turismo e viagens corporativas há mais de 4 anos. Para falar com Vinicíus só enviar um e-mail para vinicius@onfly.com.br

Deixe seu e-mail e receba em primeira mão dicas de viagens corporativas

Só conteúdo supimpa, acredite ;-)

    Prometemos não enviar qualquer tipo de spam.


    Outros artigos
    Por quê ser um “Onflyer Premium”?

    Reflexões sobre o por quê os clientes devem ter uma plataforma focada para gestão de viagens: melhorar a experiência de viagens dos seus colaboradores, devolver tempo aos responsáveis e elevar o nível de maturidade de gestão da empresa

    Fale com um especialista Onfly
    Clique aqui e baixe sua planilha de RDV
    Descubra o que nenhuma agencia de viagens corporativas quer te contar