Alugar um carro ou usar aplicativos – o que ter como padrão na política de viagens

Se você já se perguntou se é mais econômico para a sua empresa alugar um carro ou utilizar aplicativos de transporte nas viagens a trabalho, esse artigo resolve o seu problema.

4 minutos de leitura

Se você já se perguntou se é mais econômico para a sua empresa alugar um carro ou utilizar aplicativos de transporte nas viagens a trabalho, esse artigo resolve o seu problema.

A resposta, assim como tudo na vida, é que depende.

Depende do estilo da sua viagem, de quanto tempo ficará no destino, se utilizará o transporte escolhido como transfer do aeroporto e muitas outras coisas. Mas vamos explicar melhor cada aspecto para que você tire as próprias conclusões de acordo com o seu caso.

Como calcular?

Neste infográfico, trouxemos o valor médio da diária de um carro econômico em 3 das principais locadoras de veículos em Belo Horizonte. Abaixo, o preço cobrado por km rodado em 3 apps de mobilidade. Em seguida, o comparativo das duas opções de transporte por km. Lembrando que os números abaixo servem apenas para se ter uma ideia geral das tarifas. Os preços podem variar de acordo com a data e o local.

De acordo com o comparativo acima, dois dos apps de mobilidade saem mais em conta que a opção mais barata de locação até cerca de 70 km rodados. No app mais caro, apenas até os 42 km. Em qualquer distância superior, vale a pena considerar a locação de um carro.

Sabemos que é difícil estimar a distância que será percorrida na viagem, principalmente se tratando de uma cidade que não tem-se costume de visitar, mas só a distância do aeroporto de Confins até o centro de Belo Horizonte é de 40km, para se ter uma ideia. Do aeroporto de Guarulhos até o centro histórico de São Paulo, é de 42 km.

Importante lembrar que para qualquer das opções escolhidas, é preciso considerar o trajeto do aeroporto até o hotel, que já costuma ser uma distância considerável. Em BH, por exemplo, o viajante tem a opção de pegar o ônibus da Conexão Aeroporto por R$ 14,85 o convencional, ou R$ 32,25 o executivo, com desembarque na região Centro Sul (Av. Álvares Cabral), na rodoviária, no aeroporto da Pampulha ou em Betim,

Antes de tomar uma decisão baseada puramente em números, lembre de considerar as vantagens e desvantagens que vêm com cada escolha.

Alugando um carro

A locação garante a comodidade de um veículo disponível 24h por dia, lugar para mais 4 passageiros e seguro incluso, mas não se esqueça de calcular o preço da gasolina utilizada, uma vez que o carro é retirado da locadora com o tanque cheio e deve ser devolvido do mesmo jeito. Como o preço da gasolina tem variado muito nos últimos tempos, faça a sua própria estimativa de acordo com o tipo de carro e o preço local do combustível.

Para um percurso de ida e volta (totalizando 80 km, por exemplo) é preciso considerar o valor da diária (R$ 109, em média, na nossa simulação), e R$ 30 de gasolina. Segundo exemplo, o total ficaria R$ 139, sem contar gastos extras, como estacionamento.

Vantagens

  • Disponibilidade 24h sem ter que aguardar;
  • Lugar para mais 4 passageiros;
  • Seguro incluso;
  • Poder fazer várias paradas no caminho sem ter que trocar de veículo.

Desvantagens

  • Retirar e devolver o carro na locadora;
  • Encher o tanque ao final;
  • Responsabilidade de dirigir e cuidar do carro;
  • Horário estipulado para devolução;
  • Estacionamento;
  • Colaboradores que não têm carteira de motorista.

Usando apps

Desde o surgimento da Economia Compartilhada e a popularização dos apps de transporte no Brasil, em meados de 2014, muita gente tem preferido usá-los para seus deslocamentos diários em vez do próprio carro. Essa escolha faz todo o sentido do ponto de vista financeiro, quando trata-se de deslocamentos curtos, e do ponto de vista ambiental, uma preocupação cada vez maior, principalmente entre as gerações mais novas.

Os apps trazem agilidade, disponibilidade e flexibilidade, mas dependendo da distância, do horário e da oferta de veículos nas proximidades, nem sempre são a opção mais barata.

Vantagens

  • Carros disponíveis em poucos minutos;
  • Liberdade de focar em outras atividades durante o percurso;
  • Possibilidade de ingerir bebidas alcoólicas, caso permitido pela empresa.

Desvantagens

  • Dependência do sinal de internet no celular;
  • Tarifa dinâmica em certos horários;
  • Baixa disponibilidade em dias de chuva.

Conclusão

Para se fazer uma escolha consciente sobre qual opção ter como padrão na política de viagens, considere o estilo de viagem que os colaboradores fazem (destinos comuns, finalidade etc) e simule ambas. Leve esse valor apenas como um dos pontos a se considerar, mas lembre-se de que cada viagem tem suas peculiaridades e nem sempre a opção mais barata é a melhor.

Caso a dúvida persista, há também a possibilidade de deixar à escolha do viajante. É uma boa opção, que engloba as necessidades de cada um e dá autonomia ao colaborador.

Isabela Antunes
Autor: Isabela Antunes

Isabela é Analista de Marketing na Onfly e graduanda em administração pela PUC Minas.
Para falar com ela, é só mandar um email para isabela@onfly.com.br

Deixe seu e-mail e receba em primeira mão dicas de viagens corporativas

Só conteúdo supimpa, acredite ;-)

    Prometemos não enviar qualquer tipo de spam.


    Outros artigos
    Otimize sua gestão de viagens
    Clique aqui e baixe sua planilha de RDV
    Descubra o que nenhuma agencia de viagens corporativas quer te contar