Por que as empresas da B3 de capital aberto escolhem a Onfly!

Hoje na Onfly existem dezenas de empresas de capital aberto listadas na B3, entenda por que estas empresas optaram em digitalizar processos e gerar mais eficiência com viagens e reembolsos

Atualmente temos listadas na B3, principal bolsa de valores brasileira, mais de 400 empresas, e em ofertas em análise, de companhias que já publicaram seu prospecto e devem estar em roadshow para  fazer IPO, são exatamente 38.

Há ainda, companhias listadas em bolsas de valores lá fora, como o Pagseguro por exemplo, que é listada em Nova York, e a Afya Educacional, que é listada em Nasdaq.

Existem muitas vantagens em ser listadas na B3, as principais na nossa opinião:

1 – Redução de custo de capital: oportunidade de captar um capital mais barato;

2 – Aumento de liquidez para os acionistas : negociação diária, que pode ser convertida em dinheiro;

3 – Propaganda: de certa forma empresas públicas são diariamente divulgadas por analistas e imprensa (veja Locaweb por exemplo);

4 – Fonte de recursos quase que ilimitada: , enquanto houver projetos interessantes e apetite dos investidores, sempre terá uma fonte de recursos, vide CVC que deve captar R$ 500M agora.

Agora, existem desvantagens também:

1 – Custo elevado: existe um custo “burocrático”em manter uma empresa de capital aberta, departamento de RI (relação com investidores), auditorias de Big Four,  e publicação de balanços em jornais de referência;

2 – Estratégia pública: a partir do momento que sua empresa está listada, ela deve dividir as principais estratégias “públicas” para o mercado, veja, nenhum acionista vai colocar dinheiro ou manter investimento em uma empresa onde ela não sabe para onde está indo;

3 – Pressão do mercado: o fato da empresa ter capital aberto, começa uma pressão do mercado por crescimento de curto prazo, em geral, o mercado não tem uma visão de longo prazo, e acaba punindo a empresa por estratégias que geram efeito no próximo trimestre. Isto é horrível para a perenidade da empresa, não é incomum empresas fecharem capital, para executar uma nova estratégia e depois abrir capital novamente (veja o que o UOL fez, fechou capital e depois abriu só do Pagseguro).

Bom, como tudo nos negócios, há o bônus e ônus em ter uma empresa listada na B3.

Empresas de capital aberto e a Onfly

Curiosamente, entre os nossos clientes, temos 16 empresas de capital aberto, e entre as empresas que recentemente protocolaram IPO, temos 3 (Uma, é a Hospital Care, holding da área da Saúde, cujo o case pode ser visto aqui).

Olhamos para dentro, e entendemos um pouco por que estas empresas optaram pela Onfly para gerir melhor suas viagens e reembolsos, e aumentar a produtividade dos seus colaboradores:

Melhoria de gestão

Empresas de capital aberto, por obrigação possuem um alto nível de gestão, com dados e indicadores claros, visíveis e facilmente extraídos.

Empresas optam pela Onfly para ter dados de viagens e reembolso em real-time, de uma forma extremamente simples eficiente.

Aumentar governança corporativa e compliance

Governança corporativa é um dos assuntos que mais gostamos de discutir aqui, são instrumentos e processos que são implantados para garantir o alinhamento dos interesses dos acionistas e de todos os stakeholders (colaboradores, parceiros, governo, etc..) da empresa.

Uma plataforma aberta e transparente como da Onfly garante facilmente auditoria dos dados, e traz mais segurança aos acionistas sobre os recursos alocados em viagens.

Coloca o chapéu do acionista da empresa: você gostaria de saber para onde está indo os gastos de reembolsos e viagens? Você gostaria que estes dados fossem auditáveis? Você gostaria de garantir que não há fraude neste processo?

Se a resposta é sim para alguma destas respostas, a Onfly é a plataforma ideal para sua empresa gerir viagens e reembolsos.

Valorizam a experiência dos colaboradores

Esta seção aqui vale para empresas listadas, mas para empresas não listadas também, garantir que os colaboradores possuem uma experiência fora da curva, fluida e ágil, é importantíssimo para retenção de talentos.

Profissionais hoje não possuem mais tolerância a sistemas ruins e processos burocráticos como tinha antigamente, estamos em um momento de escassez de talentos enorme e cada vez mais empresas tem buscado valorizar os colaboradores para retenção e aquisição de talentos.

Existe até um termo legal sobre isto, Employer Branding, que digamos, revela como é a percepção da empresa como uma marca empregadora (empresas certificam GPTW para melhorar seu employer branding) para conseguir ser mais “sexy” na hora de recrutar profissionais.

 

Compartilhe esse conteúdo
Imagem padrão
Marcelo Linhares
Marcelo Linhares é um dos fundadores da Onfly, possui mais de 10 anos de experiência em marketing digital e varejo omnichannel, nos últimos 2 anos estudou o mercado de viagens e percebeu que as agências tradicionais trabalhavam da mesma forma há 20 anos, e resolveu criar a Onfly para transformar este mercado. Ele está sempre disponível no e-mail marcelo@onfly.com.br

Deixar uma resposta