Como ser protagonista do processo de transformação digital da sua empresa

Nos últimos 2 anos, falamos com diversos profissionais, das áreas financeiras, recursos humanos e administrativa de mais de 500 empresas, e praticamente todas as empresas estão em um processo forte de transformação digital.

Em geral, neste processo de transformação que as empresas estão passando, um colaborador tem duas opções de papel que assumem neste processo:

O primeiro, sendo coadjuvante, esperando que alguém de fora ou de outro nível hierárquico traga novas soluções e ideias, correndo forte risco, inclusive de ser desligado.

Ou ser protagonista, sendo responsável por levar melhorias para o seu dia-a-dia, com aplicação de pequenas inovações.

Ao longo dos últimos anos, conseguimos identificar bem o perfil dos profissionais protagonistas em suas aéreas, que geram muito valor para suas empresas, não possuem medo de arriscar e buscam incessantemente melhorar os seus processos.

O ponto principal que observamos, é que os protagonistas não possuem medo de mudar, se adaptam bem as mudanças de contextos e gostam de desafios.

Renato Mendes, ex CMO da Netshoes e especialista em inovação gosta de falar uma frase interessante: “Seja você o primeiro a destruir o seu modelo de negócios”, mas isto incrivelmente vale para os colaboradores e seus processos atuais de trabalho.

“SEJA VOCÊ O PRIMEIRO A DESTRUIR A FORMA ATUAL DE TRABALHO DO SEU SETOR, E ASSUMA O PROTAGONISMO NESTA TRANSFORMAÇÃO

Em geral, profissionais que assumem papel de destaque e geram inovação para suas empresas adotam comportamentos parecidos.

Abaixo listamos 6 abordagens dos profissionais que assumem um protagonismo em suas empresas.

1 – Automatizam processos o tempo todo

Automatização de processos e eliminação de processos manuais é quase uma obsessão para colaboradores que participam ativamente da transformação digital da sua empresa, eles partem do princípio que automatizar economiza tempo, e este tempo pode ser atribuído para tarefas mais complexas e importantes dentro de uma organização.

2 – Abominam burocracias e “excesso de poder”

Burocracia, em geral, asfixia as organizações, profissionais medianos adoram se esconder em processos com excesso de burocracia, para poder ter a falsa “sensação de poder”, onde tudo passa por ele.

É o maior equívoco que um profissional pode cometer, achar que excesso de burocracia e o poder centralizado, pode colaborar com a organização.

Profissionais de destaque, da nova economia, gostam que os processos fluem, sem a necessidade de ter uma pessoa “aprovando” e chancelando tudo, virando gargalo, em geral, dos processos.

Por exemplo, o cartão corporativo é uma solução que permite eliminar reembolso dos colaboradores, dando total autonomia para os viajantes realizarem gastos, dentro de uma política pré-aprovada, em uma jornada totalmente descentralizada e autônoma.

Existem gestores financeiros, que em busca de um “poder”, evita o tempo todo este tipo de inovação pois preferem que os colaboradores realizam gastos com o dinheiro deles, e solicitam reembolsos depois, gerando uma forte dependência do gestor, para aprovar todos os reembolsos.

É a velha e estúpida história “tudo passa por mim, aqui na empresa”.

Ai a pessoa não pode tirar férias, faz dezenas de horas extras por semana, atrasa o reembolso do colaborador gerando uma enorme insatisfação, por algo que não gera nenhum valor para a empresa e poderia ser facilmente eliminado.

3 – Buscam soluções externas

Colaboradores que são destaques em suas organizações, buscam o tempo todo soluções externas, de tecnologia, que ajudam o dia-a-dia do seu trabalho, sem depender que o departamento de TI resolva ou traga a solução.

Afinal, inovação hoje em dia é um papel de todos os colaboradores, e não uma exclusividade do setor de TI.

4 – Estudam muito

Esta característica é, talvez, a mais importante, profissionais de destaque estudam o tempo todo, levam a sério o conceito de “learnability”, e estão constantemente aprendendo coisas novas, que indiretamente melhoram o dia-a-dia do trabalho.

5 – Sabem contar histórias (Storytelling)

Contar boas histórias, concatenando bem as ideias com soluções é uma competência técnica dos profissionais que são protagonistas dentro das organizações, a razão é simples, é preciso convencer stakeholders e outros colaboradores sobre a importância de melhorar processos e aplicar tecnologia.

Este “convencimento” acontece através de boas histórias que são contadas.

6 – Não tem medo de serem mandado embora

Esta é talvez, a característica mais polêmica, profissionais de destaque são seguros sobre sua importância no processo, não possuem medo de trazer inovação e tecnologia, que automatizam o seu trabalho e que eventualmente faça que eles “fiquem sem trabalho”.

Pelo contrário, eles resolvem os problemas, e depois são reconhecidos pela empresa, normalmente com promoções ou recebendo o desafio de contribuir com outras áreas dentro da empresa.

Já contamos aqui, mas uma das coisas bem legais que acontecem, quando colaboradores colocam a Onfly, dentro da sua empresa, é que em alguns meses, geralmente, o colaborador é promovido.

Em geral, empresas sérias sabem reconhecer profissionais protagonistas e que geram valor para as organizações.

Bônus: Apresentação sobre Transformação Digital

Ano passado, falamos um pouco sobre isto, ao longo do ano em 3 eventos para analistas financeiros, administradores e gestores de viagens, segue abaixo, um bônus para enriquecer este artigo, com a apresentação completa.

E aí? Quer ser protagonista ou coadjuvante neste processo?

Bom, agora diz pra gente, sua empresa está no meio de uma longa jornada de transformação, qual vai ser o seu papel neste processo?

Protagonista ou coadjuvante?

Compartilhe esse conteúdo
Imagem padrão
Jared Belfort

Jared Belfort é especialista em viagens da Onfly, nos últimos meses tem se dedicado a entender como funciona o mercado de viagens e como pode otimizar os custos de viagens das empresas, para falar com ele, basta enviar um e-mail para jared@onfly.com.br

Deixar uma resposta