As 10 empresas de turismo mais inovadoras, segundo a Fast Company

Veja nesse artigo as 10 empresas de turismo mais inovadoras, segundo dados levantados pela Fast Company.

8 minutos de leitura

A indústria do turismo foi uma das que mais sofreram com a pandemia, porém, nem todas as empresas foram afetadas da mesma forma. Algumas usaram o momento para repensar processos internos, conseguiram se transformar completamente para atender às novas necessidades dos viajantes e saíram ainda mais fortes.

Veja nesse artigo as 10 empresas de turismo mais inovadoras, segundo dados levantados pela Fast Company.

1. Hipcamp

No verão de 2020, a empresa de reserva de campings triplicou a receita dos anfitriões em relação ao mesmo período de 2019, segundo a Fast Company,  por enxergar a enorme demanda de pessoas que estavam cansadas do isolamento, mas também não queriam correr muitos riscos para ter o mínimo de lazer.

Foi desenvolvido um sistema que mapeia a disponibilidade em locais comumente procurados – como parques e florestas nacionais, com a parceria com o governo – e para aumentar as opções dos usuários, identifica os locais mais populares, entra em contato com anfitriões existentes para checar a possibilidade de adicionar novos imóveis e investiga outras propriedades comerciais da região para que os donos possam trazer seus ranchos, fazendas, pomares e vinícolas para o online.

A empresa também desenvolveu um novo recurso, chamado “Extras”, que permite que os anfitriões vendam outros recursos, como aluguel, comida, lenha ou experiências – como uma refeição preparada por um chef com ingredientes vindos da própria fazenda.

Em agosto, ela adquiriu a startup australiana de compartilhamento de terras, Youcamp, expandindo no mercado internacional e aumentando suas listagens. Tudo isso faz parte da 

missão da fundadora e CEO Alyssa Ravasio de mostrar às pessoas que sair de casa é mais fácil do que pode parecer: “As pessoas estão começando a entender a natureza que está ao seu redor e mais perto de casa”.

2. Getaway

Com uma proposta mais atual que nunca, a Getaway, com seus destinos afastados dos grandes centros urbanos, ressignificou o conceito de hotel, segundo a Fast Company, ao chamar a atenção para o que tem – quitinetes elegantes, banheiros completos, janelas de galeria, fogueiras externas e mesas de piquenique – e também para o que não tem, TVs e wi-fi.

“Dias livres de distrações tecnológicas ajudam as pessoas a serem mais criativas, felizes e saudáveis”, diz o CEO Jon Staff.

Listando suas propriedades exclusivamente no site próprio, a empresa não deixa as agências de viagens online e plataformas como o Airbnb impedirem seu crescimento. Abriram três novos postos avançados no final do ano passado e estão planejando adicionar mais dois no início de 2021; um total de 16 campi arborizados – contra nove em 2019.

3. Delta Air Lines

Em um ano desastroso para as companhias aéreas, a Delta foi pioneira em priorizar a segurança dos clientes. A empresa transformou o padrão da indústria em quesitos como limpeza das aeronaves e testagem de colaboradores contra a Covid-19, e foi a primeira a parar de vender passagens para o assento do meio, e a única a continuar com o protocolo nos feriados de fim de ano.

Com todas essas medidas, a Delta conquistou o respeito dos viajantes: seu NPS (Net Promoter Score), que mede a probabilidade de os clientes recomendarem a empresa, estava 30 pontos mais alto em Agosto de 2020 que no mesmo período de 2019.

4. Arrive Outdoors

Confirmando o aumento expressivo das atividades ao ar livre em 2020, a empresa de aluguel de acessórios para camping, fundada há 3 anos, viu um aumento de 488% em pedidos e 439% em receita em 2020, comparado ao ano anterior, segundo a Fast Company.

Aproveitando do sucesso espontâneo, adicionaram novas categorias – como botas para trilhas -, e investiram em atendimento ao cliente e em logística, o que resultou em um CSAT (Customer Satisfaction Score) de 99%.

5. Intrepid Travel

O operador turístico, conhecido por suas viagens com pequenos grupos, usou a inesperada queda na demanda para repensar sua operação e impacto no planeta. 

A empresa é neutra em emissões de carbono desde 2010, mas não ficou satisfeita com só isso; é agora o primeiro operador turístico a definir metas de redução de emissão com parcerias com organizações como o Pacto Global da Onu (UNGC) e a WWF.

Algumas das medidas são a transição para fontes de energia renovável em todos os escritórios até 2025 e o foco em itinerários mais próximos e com menos emissão de carbono no transporte e acomodações.

6. Hopper

A plataforma de reserva de viagens que estava no topo da lista do ano passado na Fast Company pelos seus algorítimos de predição de preços, que informam ao viajante a melhor hora para fazer a reserva de hotéis e passagens aéreas, continuou a crescer em relevância em 2020.

Funcionando apenas em dispositivos móveis, a empresa continuou a adicionar recursos intuitivos e extremamente vantajosos para o usuário, como uma garantia de queda de preços (caso a tarifa caia depois da sua reserva, você recebe o reembolso da diferença), cancelamentos e alterações disponíveis diretamente no app e monitoramento de descontos.

Banner eBook

7. Journera

Contando com um time experiente em viagens, incluindo Jeff Katz, antigo CEO da Orbitz, a plataforma ajuda empresas a monitorar e auxiliar clientes em viagens a trabalho ou lazer. Após o consentimento, o programa conecta as reservas dos viajantes – seja hotéis, voos ou aluguéis -, alertando todos os envolvidos sobre mudanças no itinerário em tempo real. Exemplo: se o voo é finalizado antes do previsto, o check-in na empresa de aluguel de carros e no hotel são atualizados.

A plataforma continuou a crescer em 2020 e foi adotada por empresas que são responsáveis por cerca de 40% de todas as reservas de hotel e voos nos EUA.

8. Ennismore

 A Ennismore é “mãe” de diversas empresas de hospitalidade americanas, como os hotéis Hoxton, 9 propriedades entre a Europa e os EUA, e o resort Gleneagles na Escócia.

Com a queda na ocupação dos hotéis na pandemia, a Hoxton compensou a baixa receita promovendo seus espaços de restaurante para a população local, criou um retiro de última linha e introduziu um check-in e check-out flexível de 24h, segundo a Fast Company.

Essas medidas rápidas e inteligentes foram a razão pela qual a gigante de hotéis Accor está se juntando com a Ennismore para agrupar todas as propriedades em uma só marca de lifestyle, que manterá o nome Ennismore.

9. Aeroporto Internacional de San Francisco

Construído nos anos 60, o Harvey Milk Terminal 1 está no final de sua reforma de US$ 2,4 bilhões com a finalidade de não só tornar a passagem dos viajantes pelo aeroporto mais eficiente e segura, mas também mais saudável e prazerosa.

O time do projeto focou em criar um ambiente que não agride o meio ambiente, mas atende a todas as necessidades humanas. Criaram um teto que contribui para o controle da temperatura – no inverno e no verão -, usaram móveis e carpetes livres de toxinas, planejaram uma galeria de arte no centro do percurso e espaços externos, com ambientes interativos para crianças e cômodos para amamentação, segundo a Fast Company.

Como resultado dessas ações, o aeroporto foi o primeiro a ganhar a certificação Fitwel, que avalia construções saudáveis. A conscientização sobre o papel dos ambientes internos na saúde trazida pela pandemia, provavelmente vai estimular outros aeroportos a seguir os mesmos passos.

10. Airbnb

Apesar do desastroso começo de pandemia, o Airbnb deu a volta por cima. Em Março de 2020, ao ver as reservas despencando em todos os países, a companhia demitiu ¼ dos funcionários e ofereceu reembolsos completos aos viajantes, às custas dos anfitriões. Porém, enquanto preparava para seu IPO, prepararam um plano de ação para reverter o estrago.

Para fazer as pazes com os anfitriões, ofereceram pagamentos parciais pelos reembolsos anteriores e transformaram o programa de experiências (que oferecia aos viajantes opções de interação com a população local, como aulas de trabalhos manuais, culinária e etc) para uma modalidade exclusivamente virtual, o que trouxe uma renda extra e muito bem vinda para muitos, com toda a segurança.

Também investiram na propagação da marca como maior divulgadora de viagens próximas ao usuário e estadias longas e educaram os anfitriões sobre padrões de limpeza e comunicação com viajantes sobre os protocolos a serem seguidos, segundo a Fast Company.

 

E você, concorda com a lista?

Por aqui, achamos as empresas bem alinhadas com o que já foi dito pela Satya Nadella, brilhante CEO da Microsoft, e tema de outro artigo aqui no blog: O mercado de travel não aceita tradição, apenas inovação.

Isabela Antunes
Autor: Isabela Antunes

Isabela é estagiária na Onfly e graduanda em administração pela PUC Minas.
Para falar com ela, é só mandar um email para isabela@onfly.com.br

Deixe seu e-mail e receba em primeira mão dicas de viagens corporativas

Só conteúdo supimpa, acredite ;-)

    Prometemos não enviar qualquer tipo de spam.


    Outros artigos
    Otimize sua gestão de viagens
    Clique aqui e baixe sua planilha de RDV
    Descubra o que nenhuma agencia de viagens corporativas quer te contar